Da guerrilha à imprensa feminista Ver ampliado

Da guerrilha à imprensa feminista

Autoras: Amelinha Teles, Rosalina Santa Cruz Leite

ISBN: 978-85-64586-59-8

Formato: 16x23 cm

Paginas: 312

Mais detalhes

R$ 45,00

Da guerrilha à imprensa feminista <p><strong>As mulheres que lutaram contra a ditadura militar traziam a irreverência, a paixão e a rebeldia da resistência. Uma boa parte destas militantes políticas contribuíram para a retomada do feminismo dos anos de 1970 adotando uma nova forma de pensar e fazer política, buscando politizar as relações cotidianas e transformar a qualidade das relações entre mulheres e homens. Lutaram, também, por liberdades democráticas, pela Anistia e pelo fim da ditadura. Houve aquelas que alavancaram a partir do feminismo a luta pela emancipação humana, por uma sociedade de mulheres e homens livres.</strong><br /><strong>Este livro é uma reflexão sobre o feminismo dos anos de 1970, que se caracteriza como pertencente à segunda onda do movimento de mulheres, e que tem na imprensa feminista, de 1975 a 1980, um espaço de militância, de resistência e de divulgação das ideias feministas e socialistas. A narrativa é feminista e se faz pelos textos dos jornais <em>Brasil Mulher </em>e<em> Nós Mulheres</em> e pela fala das protagonistas como sujeitos desta ação.</strong></p>
R$ 36,00

As mulheres que lutaram contra a ditadura militar traziam a irreverência, a paixão e a rebeldia da resistência. Uma boa parte destas militantes políticas contribuíram para a retomada do feminismo dos anos de 1970 adotando uma nova forma de pensar e fazer política, buscando politizar as relações cotidianas e transformar a qualidade das relações entre mulheres e homens. Lutaram, também, por liberdades democráticas, pela Anistia e pelo fim da ditadura. Houve aquelas que alavancaram a partir do feminismo a luta pela emancipação humana, por uma sociedade de mulheres e homens livres.
Este livro é uma reflexão sobre o feminismo dos anos de 1970, que se caracteriza como pertencente à segunda onda do movimento de mulheres, e que tem na imprensa feminista, de 1975 a 1980, um espaço de militância, de resistência e de divulgação das ideias feministas e socialistas. A narrativa é feminista e se faz pelos textos dos jornais Brasil Mulher e Nós Mulheres e pela fala das protagonistas como sujeitos desta ação.

Fale conosco

           Não encontrou o produto           desejado, envie-nos um           e-mail.

Telefone:11-2365-0744

Enviar e-mail

Newsletter

PayPal