Michel Foucault e as insurreições: é inútil revoltar-se? Ver ampliado

Michel Foucault e as insurreições: é inútil revoltar-se?

AutorMargareth Rago, Sílvio Gallo (orgs.)

ISBN: 978-85-8499-082-5

Mais detalhes

R$ 50,00

Michel Foucault e as insurreições: é inútil revoltar-se? <p><span style="font-family: 'Myriad Pro', sans-serif;"><span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Margareth Rago, Sílvio Gallo (orgs.) . Acácio Augusto . Alexandre Filordi de Carvalho . Alexandre Simão de Freitas . Alfredo Veiga-Neto . Edson Passetti . Rosimeri de Oliveira Dias . José Luis Câmara Leme . Peter Pál Pelbart . Priscila Piazentini Vieira . Diogo Sardinha . Ernani Chaves . Oswaldo Giacoia Junior . Marcelo Hoffman . Márcio Alves da Fonseca . Salma Tannus Muchail . Tony Hara . Vera Portocarrero . Yolanda Gloria Gamboa Muñoz . Cesar Candiotto . Cleudemar Alves Fernandes . Cristiane Maria Marinho . Denise Bernuzzi de Sant’Anna . Haroldo de Resende . Maura Corcini Lopes . Pedro de Souza . Salete Oliveira . Sílvio Gallo . Ana Carolina Arruda de Toledo Murgel . Luana Saturnino Tvardovskas . Margaret A. Mclaren . Margareth Rago . Marilda Ionta</strong></span></span></span></span></p> <p> </p> <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>O X Colóquio Internacional Michel Foucault, realizado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) entre 24 e 27 de outubro de 2016, teve como proposta de reflexão as revoltas, as resistências e as insurreições na filosofia desse pensador. Procurou discutir a dimensão da liberdade, da desobediência e das lutas em suas reflexões, na contramão das leituras simplificadoras, para não dizer ressentidas, que se satisfazem em enquadrar sua filosofia como antiemancipacionista, isto é, como incapaz de fornecer saídas, a despeito das brilhantes análises sobre o exercício do poder na vida cotidiana. </span></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Assim, este livro, organizado a partir de um conjunto de textos especialmente escritos para o evento e devidamente revistos por seus respectivos autores, nos apresenta </span></span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>um amplo panorama do pensamento de Michel Foucault e derivações dele para pensar nossas questões contemporâneas.</span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="color: #000000;">“</span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Garamond, serif;">Ninguém tem o direito de dizer: ‘Revoltem-se por mim, trata-se da libertação final de todo homem.’ Mas não concordo com aquele que dissesse: ‘Inútil se insurgir, sempre será a mesma coisa’. Não se impõe a lei a quem arrisca sua vida diante de um poder. Há ou não motivo para se revoltar? Deixemos aberta a questão. </span></span><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Garamond, serif;"><strong>Insurge-se, é um fato; é por isso que a subjetividade (não a dos grandes homens, mas a de qualquer um) se introduz na história e lhe dá seu alento.”</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify">“<span style="font-family: Garamond, serif;"><span>É inútil revoltar-se?” Michel Foucault</span></span></p> <p align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;">SUMÁRIO</span></p> <p class="western"><strong style="font-family: Garamond, serif;">Parte I – Insurreições Políticas</strong></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Política e antipolítica: anarquia e diferenças no movimento antiglobalização - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Acácio Augusto</strong></span></span><span style="font-family: Garamond, serif;">Creio na insurreição dos corpos: Foucault e um esboço de anarqueologia dos vivos de outros governos - </span><span style="font-family: Garamond, serif;"><strong>Alexandre Filordi de Carvalho</strong></span><span style="font-family: Garamond, serif;">Despertar a língua furiosa da revolta para não deixar quieto o </span><span style="font-family: Garamond, serif;"><em>outro </em></span><span style="font-family: Garamond, serif;">impensado da política - </span><span style="font-family: Garamond, serif;"><strong>Alexandre Simão de Freitas</strong></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><em>Gloria Victis - </em></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><strong>Alfredo Veiga-Neto</strong></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>A arquitetura da revolta - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Edson Passetti</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>O GIP como modo de insurreição – ouvindo o ronco surdo da batalha - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Heliana Barros Conde Rodrigues, Rosimeri de Oliveira Dias </strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>A rebelião e o fim da política - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>José Luis Câmara Leme </strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Aos nossos amigos - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Peter Pál Pelbart</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Por uma outra política da verdade: as insurreições de Michel Foucault - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Priscila Piazentini Vieira</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Parte II – Insurreições no Pensamento</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Foucault pró e contra: das contraciências às anticiências </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>- Diogo Sardinha</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Cinismo e política ou a história da filosofia insurreta de Michel Foucault - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Ernani Chaves</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Para revisistar o tema: Foucault e a psicanálise - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Oswaldo Giacoia Junior</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><em>Enquêtes </em></span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>na teoria e na prática de Foucault - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Marcelo Hoffman</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>O direito contra a norma - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Márcio Alves da Fonseca</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Insurreições espirituais - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Salma Tannus Muchail</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Da revolta filosófica: notas sobre o mundo de vida cínico - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Tony Hara</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><em>Parresía </em></span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>e discurso revolucionário - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Vera Portocarrero</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Foucault: um alquimista rebelde - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Yolanda Gloria Gamboa Muñoz </strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Parte III – Insurreições na Subjetividade</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Revolução, política e a subjetivação em Michel Foucault - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Cesar Candiotto</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Insurreições como práticas discursivas na política do presente - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Cleudemar Alves Fernandes</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>A potência da educação de subjetividades insurgentes para uma política outra </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Cristiane Maria Marinho</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>A gratuidade como revolta - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Denise Bernuzzi de Sant’Anna</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>A guerra em defesa da sociedade e a insurreição do sujeito - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Haroldo de Resende</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Por uma forma de vida surda - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Maura Corcini Lopes</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>A voz do dono e o dono da voz. O corpo posto em risco na batalha dos discursos - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Pedro de Souza</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Aprisionamentos de jovens, revoltas, fugas e o indomesticável? - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Salete Oliveira</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Insurreições escolares? - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Sílvio Gallo</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"> </p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Parte IV – Insurreições Feministas </strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Compositoras brasileiras na canção popular: contracultura ou contracondutas? - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Ana Carolina Arruda de Toledo Murgel</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Visões do passado, insurreições no imaginário: história, gênero e raça em Rosana Paulino e Adriana Varejão - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Luana Saturnino Tvardovskas</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Resistência e revolução: ‘‘Nem tudo é igualmente perigoso’’ - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Margaret A. McLaren</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Foucault, o neoliberalismo e as insurreições feministas - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Margareth Rago</strong></span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: Garamond, serif;"><span>Das amizades femininas e feministas - </span></span><span style="font-family: Garamond, serif;"><span><strong>Marilda Ionta</strong></span></span></p>
R$ 40,00

Margareth Rago, Sílvio Gallo (orgs.) . Acácio Augusto . Alexandre Filordi de Carvalho . Alexandre Simão de Freitas . Alfredo Veiga-Neto . Edson Passetti . Rosimeri de Oliveira Dias . José Luis Câmara Leme . Peter Pál Pelbart . Priscila Piazentini Vieira . Diogo Sardinha . Ernani Chaves . Oswaldo Giacoia Junior . Marcelo Hoffman . Márcio Alves da Fonseca . Salma Tannus Muchail . Tony Hara . Vera Portocarrero . Yolanda Gloria Gamboa Muñoz . Cesar Candiotto . Cleudemar Alves Fernandes . Cristiane Maria Marinho . Denise Bernuzzi de Sant’Anna . Haroldo de Resende . Maura Corcini Lopes . Pedro de Souza . Salete Oliveira . Sílvio Gallo . Ana Carolina Arruda de Toledo Murgel . Luana Saturnino Tvardovskas . Margaret A. Mclaren . Margareth Rago . Marilda Ionta

 

O X Colóquio Internacional Michel Foucault, realizado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) entre 24 e 27 de outubro de 2016, teve como proposta de reflexão as revoltas, as resistências e as insurreições na filosofia desse pensador. Procurou discutir a dimensão da liberdade, da desobediência e das lutas em suas reflexões, na contramão das leituras simplificadoras, para não dizer ressentidas, que se satisfazem em enquadrar sua filosofia como antiemancipacionista, isto é, como incapaz de fornecer saídas, a despeito das brilhantes análises sobre o exercício do poder na vida cotidiana.

Assim, este livro, organizado a partir de um conjunto de textos especialmente escritos para o evento e devidamente revistos por seus respectivos autores, nos apresenta um amplo panorama do pensamento de Michel Foucault e derivações dele para pensar nossas questões contemporâneas.

Ninguém tem o direito de dizer: ‘Revoltem-se por mim, trata-se da libertação final de todo homem.’ Mas não concordo com aquele que dissesse: ‘Inútil se insurgir, sempre será a mesma coisa’. Não se impõe a lei a quem arrisca sua vida diante de um poder. Há ou não motivo para se revoltar? Deixemos aberta a questão. Insurge-se, é um fato; é por isso que a subjetividade (não a dos grandes homens, mas a de qualquer um) se introduz na história e lhe dá seu alento.”

É inútil revoltar-se?” Michel Foucault

SUMÁRIO

Parte I – Insurreições Políticas

Política e antipolítica: anarquia e diferenças no movimento antiglobalização - Acácio AugustoCreio na insurreição dos corpos: Foucault e um esboço de anarqueologia dos vivos de outros governos - Alexandre Filordi de CarvalhoDespertar a língua furiosa da revolta para não deixar quieto o outro impensado da política - Alexandre Simão de FreitasGloria Victis - Alfredo Veiga-Neto

A arquitetura da revolta - Edson Passetti

O GIP como modo de insurreição – ouvindo o ronco surdo da batalha - Heliana Barros Conde Rodrigues, Rosimeri de Oliveira Dias

A rebelião e o fim da política - José Luis Câmara Leme

Aos nossos amigos - Peter Pál Pelbart

Por uma outra política da verdade: as insurreições de Michel Foucault - Priscila Piazentini Vieira

Parte II – Insurreições no Pensamento

Foucault pró e contra: das contraciências às anticiências - Diogo Sardinha

Cinismo e política ou a história da filosofia insurreta de Michel Foucault - Ernani Chaves

Para revisistar o tema: Foucault e a psicanálise - Oswaldo Giacoia Junior

Enquêtes na teoria e na prática de Foucault - Marcelo Hoffman

O direito contra a norma - Márcio Alves da Fonseca

Insurreições espirituais - Salma Tannus Muchail

Da revolta filosófica: notas sobre o mundo de vida cínico - Tony Hara

Parresía e discurso revolucionário - Vera Portocarrero

Foucault: um alquimista rebelde - Yolanda Gloria Gamboa Muñoz

Parte III – Insurreições na Subjetividade

Revolução, política e a subjetivação em Michel Foucault - Cesar Candiotto

Insurreições como práticas discursivas na política do presente - Cleudemar Alves Fernandes

A potência da educação de subjetividades insurgentes para uma política outra Cristiane Maria Marinho

A gratuidade como revolta - Denise Bernuzzi de Sant’Anna

A guerra em defesa da sociedade e a insurreição do sujeito - Haroldo de Resende

Por uma forma de vida surda - Maura Corcini Lopes

A voz do dono e o dono da voz. O corpo posto em risco na batalha dos discursos - Pedro de Souza

Aprisionamentos de jovens, revoltas, fugas e o indomesticável? - Salete Oliveira

Insurreições escolares? - Sílvio Gallo

 

Parte IV – Insurreições Feministas

Compositoras brasileiras na canção popular: contracultura ou contracondutas? - Ana Carolina Arruda de Toledo Murgel

Visões do passado, insurreições no imaginário: história, gênero e raça em Rosana Paulino e Adriana Varejão - Luana Saturnino Tvardovskas

Resistência e revolução: ‘‘Nem tudo é igualmente perigoso’’ - Margaret A. McLaren

Foucault, o neoliberalismo e as insurreições feministas - Margareth Rago

Das amizades femininas e feministas - Marilda Ionta

Fale conosco

           Não encontrou o produto           desejado, envie-nos um           e-mail.

Telefone:11-2365-0744

Enviar e-mail

Newsletter

PayPal